domingo, 16 de dezembro de 2007

Ribeirinha big Surf

Infelizmente não há qualquer registo da surfada de sábado, mas que vai ficar na mente de quem lá esteve lá isso vai. Tudo apontava para um dia surf normal, ondulação pequena e a previsão do vento era para ficar fraco durante o dia todo. Após acordar o pessoal todo e de fazer a recolha tipo camioneta da carreira lá fomos para a ribeirinha onde se apresentava com condições não muito espectaculares mas surfavél ,ainda na altura o vento não tinha acalmado e soprava uma ligeira brisa de norte,o que fazia com que a onda não estivesse totalmente perfeita, mas ainda assim rolavam umas ondas bem simpáticas. Os sets entravam com regularidade e com uma altura máxima de 1.5m e quem lá estava foi se habituando e se chegando cada vez mais para o pico,drop atrás de drop e com os habituais malhos pelo caminho lá fizemos uma matinal sem espinhas ...mas nada nos fazia esperar o que estava para vir. Após almoçar um belo arroz de marisco que o meu amigo Hugo tinha feito na noite anterior e de negociar uma segunda entrada no mar com a minha querida cara metade. lá nos fizemos outra vez á Ribeirinha mas sempre pensando que com a maré cheia as ondas iam ficar mais fracas, e assim foi até entramos no mar. O vento tinha se evaporado e as ondas começavam muito perto das rochas. já com o pessoal todo dentro de água e após algumas peripécias para lá chegar(nota: os carros não andam a água ...)fomos apanhando umas ondas. Para nosso espanto não é que o mar começa crescer e cada vez entrava mais sets a quebrar mais fora, na primeira secção da onda quebra uma tubo que só visto. por fim já estava tudo aos tremelicos pois era tal a intensidade da adrenalina a cada onda que se apanhava,os sets entrava com consistencia e era tal a magnitude das ondas que já não sabíamos se queríamos estar em terra firme ou tentar puxar a corda um pouco mais. A verdade é que as pernas tremiam e não eram de frio e a cada onda apanhada só se ouvia berros de alegria e enquanto uns dropava as maiores ondas da sua vida outros quebravam barreiras mentais e atiravam-se como doidos na secção mais cavada, pregando malhos de fazer arrepiar os cabelos dos que viam tal espectáculo. Não sei dizer o tamanho real das ondas mas o que importa é que juntos e puxando uns pelos outros fomos batendo barreiras aos poucos e o que vai ficar no nosso imaginário é que as ondas estavam realmente grandes e desafiadoras. Ontem não dormi nada e hoje ainda só penso naquelas paredes de água e tenho a certeza que não sou o único. Agora só nos resta esperar pela próxima ondulação e que continuemos a evoluir e puxar uns pelos outros.

4 comentários:

Nteinteressaómeu disse...

É pena não dar mais vezes!!!!

h2oguu disse...

AHAHAH grande dia...grandes ondas..grandes malhetas lolololool
Que Neptuno nos mande mais destes dias..venha a nós as suas ondas..seja feito o seu drop! :))

geocrusoe disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
geocrusoe disse...

Bem-vindo à blogosfera. Suspeitava que a zona era boa para o surf por já o ter visto lá várias vezes, com cara ansiosa a olhar o mar e a desejar que a ondulação melhorasse... ou seja, piorasse para mim.
Mas espero que já tenha reparado que a zona tem muito mais a oferecer, assim quando a onda estiver má, explore a envolvente ou passe a tarde com os amigos e família. Cá por mim sou mais de leituras e música, mas ali há lugar para todos os que vierem por bem e saibam conviver em espaços público e sei que é este o vosso caso.
(fui eu quem eliminou a minha mensagem anterior, devido a erros de português geradores de confusão, mas esta agora tem a mesma ideia).